Over 10 years we helping companies reach their financial and branding goals. Onum is a values-driven SEO agency dedicated.

LATEST NEWS
CONTACTS
SURDO

Como uma criança surda aprende o Português?

Como uma criança surda aprende o Português?

Joseane Zanini

Inicialmente, é importante lembrar que o português é a segunda língua das pessoas surdas, usuárias da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Desta forma, na escola, os professores, fluentes nesta língua, ensinam os alunos a se comunicarem e se expressarem na sua primeira língua. Eles passam a realizar as propostas escolares respondendo na língua de sinais e fazendo uso da Escrita da Língua de Sinais (ELS), para terem a compreensão do que estão aprendendo e assim concomitantemente aprendem a língua portuguesa escrita. Deste modo, o aluno surdo ao ingressar nos anos do ciclo de alfabetização tem contato com a língua portuguesa, na sua modalidade escrita, e à medida que os alunos compreendem as propostas do professor eles desenvolvem-se através da sua primeira língua, a LIBRAS.   

Neste processo o aluno reflete sobre cada palavra ou elemento antes da construção do conceito, ao invés de recebê-lo de forma pronta. As estratégias por meio de trocas com seus pares faz com que a compreensão seja mais efetiva e facilita a retomada do conteúdo de forma mais relevante. Assim, o aluno faz aproximações confrontando as duas línguas para criar significados e avançar nas aprendizagens escolares, bem como, na compreensão de mundo.

Quando um novo conceito é construído de maneira ativa, ou seja, em que o aluno seja parte principal do processo, a aprendizagem se torna mais significativa e seu registro autônomo mais completo, diminuindo as chances de esquecer tanto a grafia quanto o significado das palavras em estudo.

Como proposta de ensino, fazemos uso da literatura infantil, explorando as histórias. Fazemos contações; pedimos que os alunos recontem essa história para verificação da compreensão; exploramos cenas, frases, fazendo uso da Escrita da Língua de Sinais para que o aluno tenha autonomia de leitura; construímos jogos e por fim, propomos a produção textual, permitindo que escrevam na sua primeira língua, a língua de sinais, e depois traduzam para o português, compreendendo que são estruturas linguísticas diferentes e que esta segunda língua é importante pela função social que tem.

Acreditamos que a utilização da ELS e a relação entre as duas línguas seja um apoio fundamental para a alfabetização desses alunos, e principalmente para a compreensão dos significados das palavras no português, pois a partir da reflexão das palavras percebemos que a maioria dos alunos consegue concluir as atividades autonomamente, o que confere mais estímulo e interesse em querer continuar aprendendo as duas línguas. 

Joseane Zanini e Priscila Bortoletti Nunes

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *